Eu sou legal, e você?

Olhos nos olhos / Quero ver o que você diz

Por Rafa*

A moça da Fnac pega a Details novinha em folha, olha a capa, estampada com o belo Alex Rodriguez (A-Rod), braços à mostra, olhos verdes, morenaço. Suspira… e solta: “nossa, que homem lindo”. Entendo-a perfeitamente. Abro aquele sorriso gostoso que é só meu, cúmplice. A caixa da loja deve ter achado que é uma revista gay, penso. Deixo estar.

E segue o baile naquela tarde de sábado. Vida Simples (porque me acalma), RG Vogue (porque preciso conhecer os hypes por causa do meu trabalho), Veja e Vejinha (porque tenho que ler o que a nossa classe média lê) e Playboy (não, não é por causa da gostosa do BBB).

Playboy? A cara da moça é de desconfiança, de quem não entendeu bulhufas. Largo outro sorriso gostoso. Ela deixa pra lá. Pago, agradeço e vou-me.

No caminho pra casa, alguém me pára no meio da rua e pergunta onde comprei minhas alpargatas. Uma amiga trouxe do sul, respondo. “Ah”, diz o passante, decepcionado. Presenteio o desconhecido com aquele sorriso.

E é mais ou menos assim que vou levando a vida -ou querendo levar, porque não dá pra controlar tudo. Antes da comprinha sagrada na Fnac, tenho aula de alemão e vou na academia, se não estou de plantão.

Em casa, deitado na minha queen size (meu único bem durável, segundo o que entendo por bem durável), pareço uma criança com os meus brinquedinhos novos. Cada revista é uma felicidade só, com seu cheiro, suas fotos, seus textos…

“Mas que sabadão mais middle class, Rafa?”

Pois é, gatinha. Vai piorar. Depois rola um cineminha, um jantarzinho, um encontrinho com aquele gatinho que vai e vem de vez em quando. E vambora.

Domingo rola yoga no parque ou uma corridinha, tanto faz. Pode ser ainda uma coisa seguida da outra, dependendo do clima e do meu estado de espírito. Geralmente, vou de bicicleta. Às vezes, ainda sobra tempo pra um basquete.

Sim, safadinha, aqueles roxos nos meus braços na semana passada foram por causa do basquete, ok?

Um banho demorado depois. Hidratante no corpo. Um barzinho, um livrinho, cineminha (de novo), tanto faz.

E lá se foi o meu final de semana.

Assim eu sempre fui. Assim eu sou e acho que assim eu quero continuar sendo, sempre que dá.

E quando algumas pessoas me atacam, dizendo que eu e alguns companheiros do EBDP não temos propriedade para escrever o que escrevemos, me assusto. Não que eu seja essa calmaria pura e phina descrita acima, mas que a phinesse está sempre por perto, ah, isso tá.

Tem (muitos) dias que não se acorda na hora certa, e o sono segue, pesado, impedindo qualquer movimento que se queira dar pra frente. Tem horas que aqueles que não deveriam aparecer aparecem, e daí tu já viu. A noite não tem fim, a gente fala demais, bebe demais. E o dia já raiou. E a teoria da dignidade foi pro beleléu.

Mas tem horas, dias, que não tem jeito mesmo. Bate uma tristeza fininha e fria, e daí, só um colo mesmo pra aliviar. Mas o colo às vezes tá longe. Ou perto e não pode. Ou perto e não quer.

E a segunda fica com cara de domingo. Não o meu domingo, claro, especial. Mas aquele domingo clichê, de ver televisão, da preguiça de recomeçar.

Então, hoje, se eu parecer petulante, tudo bem. Pedante? Ok. Sem problemas, não se incomode.

Já entendi. Agora pára de me atacar, por favor, que tô carente.

Ser normal também é muito phino.

*Rafa não consegue ser alegre o tempo inteiro. Escreve aqui às segundas. Só não aparece quando tem show do Radiohead no dia anterior, bebeu demais ou está muito (mas muito) triste. A regra vale também pra quando tudo isso acontece ao mesmo tempo. Às vezes, toma, sozinho, um mate amargo. Experimenta aqui.

Anúncios

13 Comentários

Arquivado em lar phino lar, Rafa, sentimentos phinos

13 Respostas para “Eu sou legal, e você?

  1. vivi

    dor e champagne, rafa. te permite.

  2. Rafa, até tua tristeza é phina! Alegria menino!
    Bjão

  3. Di

    Rafa,

    Como diria aquela música de Maria Rita:

    “Não é o fim da batucada!”

    Nada como um dia depois do outro. Acho muito phino um final de semana assim, meio casa, meio cultura! Digno de uma pessoa phina!

    Um boa semana pra ti!

    Abraços

  4. Caroline Andreis

    Lindo.
    Em breve teremos um phindie fashion aqui na Província.

    Não dá bola pros bobos, eles não entendem que tem até como pegar um ônibus com classe.

    Bjs

  5. Maeli

    lindo! um dos melhores textos teus que eu ja li aqui, adorei 🙂

  6. O colo está aqui. Longe.
    Mas é permanente.

  7. Rafa (começando por esse detalhe phinissimo de ter esse nome como marca registrada!)

    Alegria menino. Entendo PERFEITAMENTE every single word que escreveste! Meus amigos me chamam de carente-crônico, isso eu realmente não acho que seja phino. Porém acho muito phino ser humano, além de qualquer coisa: phino é viver a vida.

    P.s: me identifiquei muito com teu texto. Adorei!

  8. Vivi,
    champanhe é brega. O hype agora é conhaque, mas só no frio.

    Alice,
    na alegria e na doença, sempre phinos!

    Di,
    não foi tão casa e cultural assim, mas vamos ficar por aqui. Valeu pela força garoto.

    L’Andreis,
    fim de semana fashion aí + início de semaninha gostoso aqui. Eba!

    Maeli,
    o elogio me valeu o dia. Beijos, linda.

    SextaSessão,
    colo permanente e apoio em meio ao caos: não tem preço.

    Rafita, xará,
    sem essa de carência-crônica, por favor. De vez em quando pode. Só porque eu abri meu coraçãozinho hoje não vai achar que pode sempre. ; )

    Beijos Brasil!
    (e para os que torcem contra, aviso que já está tudo bem.)

  9. vini

    todas as revistas, com exceção da playboy, estavam disponíveis na estádia na casa do daniel. vejo, pois, que este é um blog de formador de opinião.

    por mais que não tenha coordenação, tampouco tenha altura, sou doido doido doido pra jogar basquete. acho mto mto mto phino.

    dias calmos são phinos, fato. não é preciso se jogar na baladação sempre para se ficar in, oras. saber a hora de se dedicar momentos de auto-companhia é algo bem sábio. às vezes se precisa ficar sozinho, às vezes se quer, sem precisar… acertar o timing do colo é difícil. muuuuuuito difícil.

    televisão no domingo jamais, sob qualquer circunstância. no máximo dvds e olhe lá.

    =)

  10. vini

    aaaaaaaaaaaaaaaah

    e vc é legal.

    fato.

    =)

  11. maria luíza sá e madureira

    quem teria propriedade para falar de assuntos phinos? por que tu não teria? é sério que pessoas te atacam?

  12. vini, querido,
    obrigado pelas palavras fofas. Mas eu sou muito mais que legal!

    maria luíza sá e madureira,
    acho que alguns pensam que só constaza e glorinha kalil têm. Tristeza já passou, coluna foi só um momento “public displays of affection” por-favor-me-dê-amor. Não consigo entender por que certas pessoas acham que eu não teria. É só olhar pras minhas roupas, meus livros… Mas, pasme, atacam, sim. Dissimuladamente, diretamente, amigos inclusive. Faço a egípcia. Mas sabecumé, às vezes a biba aqui fica sentimental, vai no show do Radiohead, bebe demais, daí dá nisso.

    Bjs!

  13. vivi

    ah, agora que eu viciei? 😐

    não tenho vocação pra phina, definitivamente, rafa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s