Como se portar em eventos

(Qualquer semelhança com o mundo real é a mais pura verdade)

(Qualquer semelhança com o mundo real é a mais pura verdade)

Por Rafa*

A primeira dica é evitá-los. Evite qualquer tipo de evento, sempre que possível. Há sempre uma cama quentinha, um seriado em casa para assistir, um bom vinho no supermercado para chamar de seu, um livro pra ler etc.

Pessoas que vão a eventos geralmente comparecem a muitos eventos, o que significa que perdem um bom tempo da vida com isso, ou seja, se tornam menos interessantes. Mas, se for inevitável dar pinta —afinal, você precisa estar presente por causa do seu trabalho e/ou porque tem amigos e/ou familiares fotógrafos, estilistas e escritores—, confira as dicas abaixo para fazer bonito.

Adapte os ensinamentos ao seu nível. Eles servem tanto para um desfile beneficente na Daslu quanto para aquele churrasco na laje que a gente adora se atirar de vez em quando.

Agora, nunca, nunquinha, diga que você “trabalha com” ou “faz eventos”, mesmo que adore muito tudo isso.

Vernissagens
Evite entrar em detalhes sobre obras com o artista que está expondo. Arte não se explica, se aprecia, e, por isso mesmo, você não vai a uma vernissagem para ver as obras. Vai para solidarizar-se, ver gente (sempre tem uma pessoa muito interessante nesse tipo de evento -apenas uma e ela não vai te dar bola) etc.

Ah, quer ver os quadros? Escolha um dia útil no meio da semana ou então acorde cedo se a única opção for o domingão.

Na vernissagem, se você encontrar um jornalista, não peça a opinião dele sobre o trabalho apresentado. São poucos os que têm algo a dizer e não serão os que escrevem sobre comportamento que vão te ajudar.

O objetivo de ir a um evento como esse é encher a cara mesmo, o que nem sempre é possível. Se tem cerveja (geralmente mostra envolvendo grafiteiros), estará quente. Se tem vinho, é dos bagaceiros. Melhor o boteco da esquina.

Evite devorar os salgadinhos (ruins) e sair desesperado atrás do garçom. Faça como minha empregada na infância, que me fazia comer horrores antes das festinhas de aniversário dos coleguinhas. Dessa forma, eu não me entupia de bolo e docinhos durante os festejos, fazia a phina e saía bem nas fotos. Fica a dica.

Se levar a vernissagem às últimas consequências:

Você, para tentar esquecer toda aquela gente chata e sem graça e desencanar da única pessoa interessante da festa que não quis saber de você, decide dar em cima do artista. Com o fato consumado, você ganha de aniversário um quadro horrendo do pretê e fica sem graça de dizer que a obra está tenebrosa. Constrangimento total.

Lançamentos de produtos e festas da firma
As pessoas são chatas nesses eventos. Não tente fazer amizade. O bom é que as chances de ter bebida boa são maiores do que nas vernissagens, principalmente se você trabalhar em uma empresa de nível, não no jornal de bairro da esquina. Ou se for lançamento de um vinho.

Fique no seu canto e evite ficar muito exposto com aquela sua amiga simpática. Certeza que vai vir um mala com o copo transbordando de vinho para falar sobre como a corrida mudou a vida dele. Vai comentar o tempo que tem feito nas provas de 10 km dos últimos meses etc. (Bocejos!)

Banque o antipático, sempre é a melhor saída. Não tenha medo de se isolar.

Se a pedida é a festa da firma, o melhor é dar aquela passadinha básica, cumprimentar a galera, mostrar a roupa nova e mandar-se. Você abre mão de qualquer tipo de constrangimento e não vai presenciar alguns colegas se esbaldando na pista ao som de “abra suas asas / solte suas feras”. Ninguém precisa ver isso.

Se o evento for a festa da academia, faça a goxtosa, gatinha. Beba um suco. Ninguém ali quer conhecer o teu outro lado, ou seja, aquele lado que emerge quando você bebe e vira uma louuuuca.

Se levar a festa da firma às últimas consequências:

Será fotografado na pista num bate-coxa goxtoso com o namorado de sua amiga. As fotos circularão nos e-mails dos funcionários da firma e não se falará sobre outra coisa na semana pós-bailinho.

Dudu Bertolini te despreza

Dudu Bertolini te despreza

Desfiles de moda e festas do mundinho fashion
Nos desfiles de moda, o ideal é sentar sempre na primeira fila. Vá com um visual discreto: dar pinta em São Paulo Fashion Week é o que há de brega. Ah, não te deram convite? Pelamor de Jesus Luz, não vá mendigar na frente da Bienal, por favor.

Gosta de óculos escuros? Vai pra praia gatinha, nada de querer bancar a superpoderosa. Nada mais patético do que gente de óculos escuros na plateia. Se for bicha então, deu-su-li-vre. STADNERVUS!

Durante a apresentação das roupas, fixe o olhar em um ponto. E mantenha ele lá até o final do desfile. Se gostar de alguma roupa, pode até acompanhar o modelo, mas não mais que cincos segundos. Volte o olhar para o mesmo lugar escolhido. A cara? Blasé, sempre.

Tome pequenas notas no seu bloquinho. Duas ou três são mais do que suficientes por coleção.

Nunca diga que gostou de alguma coisa (a não ser que o desfile seja de um parente, relembre aqui). Você já viu tudo aquilo em algum lugar, na Europa, na África etc. Nada é novidade pra você, entendeu?

Esqueça desfiles óbvios, como o da Colcci. Não gatinha, não é phino dizer que viu a Gisele, aquela “potranca”, na passarela. E, claro, abra mão dos brindes, por favor, nada mais brega.

As festas pós-desfile serão todas chatérrimas. Uma fazeção sem limites (todas serão iguais). Caia fora. Certo que o pavão Dudu Bertholini vai aparecer. Esteja preparado!

Se levar a festinha do mundinho fashion às últimas consequências:

Você dançará sensualmente com uma moça chamada Paola. No outro dia, vai jurar para seus amigos e colegas de trabalho que conheceu a princesa Paola Maria de Bourbon e Orléans-Bragança. Ela vai te ligar, te convidando pra sair, e você descobrirá que se tratava de uma stylist. Importante, mas apenas uma stylist.

*Rafa voltou a ser do mal. Trocou um jovem e festas hypes com o pessoal da MTV por sua cama queen size. Teve a oportunidade mas não quis saber de frequentar os bastidores do rock and roll mundial (“ai, que preguiça!”, já dizia Macunaíma). Sua coluna é publicada aqui às segundas, um evento imperdível.

11 Comentários

Arquivado em festas phinas, fica aí a dica, moda versus phinesse, Rafa, tendência

11 Respostas para “Como se portar em eventos

  1. festa da firma? churrasco na laje? desfile? vernissagem?

    pura e incontrolável vontade humana de fazer-se visto e revisto (no caso dos vexames).

    sem dó nem piedade, digo que é o fim querer bancar a phina nesse tipo de socialização.

    pela banalização do ‘não’ como resposta aos convites ditos phinos.

    em primeira mão sempre parece mais interessante.

    abração.

  2. Rafa tem propriedade para falar sobre eventos da firma. Aprendeu, depois de muitas fotos enviadas para os colegas no dia seguinte, que bonito mesmo é se comportar. Embora sem graça.
    Amei, é um guia prático de comportamento social.

  3. Participei de muitas vernissagens quando estagiava em uma instituição cultural, em Porto Alegre. Era assustador observar o comportamento de gente pseudo-phina que descia do salto depois dos exageros alcoólicos. Mas nada me chocou tanto quanto uma funcionária que aproveitou o discurso de alguém, durante a abertura de uma exposição, pra encher a bolsa com os comes que eram oferecidos.
    Ah, as misérias da alma! Triste, triste.

  4. Registro meu protesto: as fotos da pista de dança no bate-coxa gostoso com o namorado da amiga nunca me foram mostradas.
    Sim, foi assunto da semana na firma, mas eu só ouvi a falação. As provas da falta de phineza nunca apareceram aqui.

  5. clarissa

    melhor texto. jamais vou me comportar assim, evidentemente, mas adorei, em tese.

  6. Adoro o “Rafa mal”!!! É o melhor de todos!

  7. Di

    com certeza, se tem um evento que é imperdível, esse evento é acessar o EBDP todas às segundas.
    😉

    Ótimo post Rafa!

    As dicas phinas serão absorvidas…

    Abração e boa semana!

  8. Colega maluca 1

    Vou copiar muito essa frase, mas diferentemente do que tenho feito ultimamente, vou citar a fonte literária: “ai que preguiça, dizia Macunaíma”. Acrescento à sabia dica de encher a pança antes do evento: dá morcilha mini friturinhas servidas por garçons!

  9. Há pouco tempo quis fugir de uma palestra de ator global pós-cocktail de trabalho nece$$ário. A comida era phina por demais, e, depois de um caviar aqui, um salmão ali, queria saber o que tinha de doces, mas só iam liberar depois da palestra. Flertei suavemente com o garçom que me trouxe um prato cheio de trufas de café. Daí fui embora satisfeita. =)
    Eu sei que é gordo e falta phinesse, mas as trufinhas eram deliciosas, ok? =)

  10. Fábio

    Eu não tenho o que falar, nunca fui convidado para nada!!!!HAHAHAHAHHAHA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s