Reflexões românticas da vida privada

Por L’Andreis*

- Corre, Mark Renton, Corre, senão os 90 te pegam

- Corre, Mark Renton, Corre, senão os 90 te pegam

I. De tanto querer, um dia você acaba dentro de Trainspotting

“We didn’t have nowhere to live,
we didn’t have nowhere to go
til someone said
‘I know this place off Burdett Road.’
It was on the fifteenth floor,
it had a board across the door”

(Pulp, Mile End)

Isto aconteceu antes de Bollywood tornar-se Boleywood. E juro que meu senso de humor também era mais refinado. Era 1996, e um sexy Mark Renton corria dizendo que escolhia tudo o que o dinheiro poderia comprar. Ele escolhia a vida.

A escolha anterior era ficar jogado injetando-se heroína em um apartamento arruinado. Foi a primeira vez que vi um junkie na vida. Pra quem não viveu os 90, heroin chic era o mais próximo que você podia chegar do céu: pele branca, olhos claros saltando na magreza doentia. Kurt Cobain estava ali também para nos inspirar.

Já isto aconteceu depois de muita maturidade. Depois de entender que heroin chic era glamour falso, e, pra cabecinha ficar no lugar, o negócio era ser bem parecido com papai e mamãe.

Há momentos na vida em que você sente um chamado para a autodestruição. Nestas horas, você precisa de um entourage na mesma onda. E, olha só, é bem fácil achar. Tem um mundo aí fora que continua igualzinho a Trainspotting.

-Oi.
– Oi.
– Estou aqui no canto porque tenho síndrome do pânico, tomo sertralina.
– Ahn. E o que faz?
– Trabalho em uma sex shop.

Opa, mudou de livro, agora já é Porn. Bom, eu deveria esperar alguma evolução.

- Dodô, pobrezinho, não aprende que quando o leite derramou não volta pra caneca

- Dodô, pobrezinho, não aprende que quando o leite derramou não volta pra caneca

II. De tanto repetir, você volta a ter uma rejeição

“Misjudged your limits
Pushed you too far
Took you for granted
I thought that you needed me more”

(Boys Don´t Cry, The Cure)

Leonard Cohen falou estes dias que, em alguns momentos, você precisa fechar o coração para colocar as coisas no lugar. Ele também disse que a gente nunca aprende nada sobre relacionamentos, porque nunca sabemos quando o coração do outro está aberto ou fechado.

Dodô, o coração, estava em carne viva. Ferida aberta era pouco. Mas, pára-quedista como era, lá foi se atirar. Avisei a ele, nunca fique dividido, mesmo por culpa, você vai acabar se boicotando e lá se vai a paixão do momento.

E daí ele veio reclamar pra mim sobre a desculpa da rejeição.

– Alguém pode ser tão sensível assim, ainda mais sendo um coração-macho?

Bom, outra dica, eles andam mais sensíveis que nós. As moças largam sempre eles por coisa melhor e, bem, Dodô, tem coisa bem melhor que esse. Não que faça diferença pra ti, né, seu doidinho? E lá vai se pregar na porta dele em um saco plástico. Vão te devorar com batata-frita. Eu avisei.

- É ilegal, imoral ou engorda

- É ilegal, imoral ou engorda

III. E porque é assim, todo o amor que você investiu volta pra você

“I know, I feel it in my bones
I’m sick, I’m tired of staying in control
Oh yes, I feel a rat upon a wheel
I’ve got to know what’s not and what is real
Oh yes I’m stressed, I’m sorry I digressed”

(Everyday I love you less and less, Kaiser Chiefs)

– A vida não é como a de Carrie Bradshaw, Leonardo. Alguma vez um garoto que terminou contigo não voltou arrependido?
– Mas eu nunca aprendi a esperar. Ando de táxi pra não esperar o ônibus. Como no McDonald’s perdendo a dignidade quando estou com muita fome.

Uma vez esperei, e a ansiedade me emagreceu e fez eu gostar de quadrinhos. Ele voltou, mas houve um acontecimento trágico que não cabe aqui. Desta vez, mesmo eu não esperando, voltou forte e com tanto carinho que eu quase sucumbi. Mas decisões assim são como ver um Big Mac quando se está com muita fome, parece delicioso, mas vai te engordar, aumentar o colesterol, perder pontos de dignidade. Então, é bom pensar se tu quer correr na esteira pra queimar as calorias depois.

*L’ Andreis falta terapia, mas não falta aqui toda quinta.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em decisão com PH, inspiração, L’Andreis, lição de vida, sentimentos phinos

6 Respostas para “Reflexões românticas da vida privada

  1. “Leonard Cohen falou estes dias que, em alguns momentos, você precisa fechar o coração para colocar as coisas no lugar.”

    Leo, miliga, pls!!! Tô com saudades.

    “Mas decisões assim são como ver um Big Mac quando se está com muita fome, parece delicioso, mas vai te engordar”

    Melhor comparação ever.

    Beijos!

  2. parece que já sabemos de tudo isso, mas mesmo assim, não aprendemos…

  3. Força, Dodô!

    Se tu casar em agosto, vou estar no Brasil. Ou então, vem casar aqui e eu já aproveito pra te apresentar aquele charmant primo francês (;

  4. Caroline Andreis

    Mesmo faltando terapia está expert em relacionamentos, hehhe. Realmente, nao há como colar os cacos de algo que se quebrou, apenas juntar…… Que ” romantico” o leite derramado……
    Beijos
    Tua fâ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s